quarta-feira, 25 de março de 2015

[CURTAS] De Acordo Com a Nintendo, Preço Sugerido Do Wii U Não Pôde Ser Reduzido Por Causa Das Variações Na Taxa De Câmbio

Oi pessoal, tudo bem?
Muitos daqueles que sonham em ter um Wii U, e até mesmo Nintendistas que o tem e estão preocupados com a atual situação do console no mercado mundial, se perguntam sempre do porque de a Nintendo não reduzir um pouco mais o preço sugerido do mesmo para então tentar elevar suas vendas (visto que nem mesmo com o lançamento de títulos incríveis como Donkey Kong Country: Tropical Freeze, Mario Kart 8 e Super Smash Bros. For Wii U houve uma mudança total neste cenário), estou correto? Pois bem, Satoru Iwata agora traz a resposta para tal dúvida.

Quando lançado oficialmente na América, em novembro de 2012, o Wii U era vendido em dois modelos: Basic (branco, 8 GB), por U$299,99, e Deluxe (preto, 32 GB, com Nintendo Land), por U$349,99. Querendo contornar as baixas vendas do aparelho por aqui, a Nintendo of America resolveu focar somente no modelo Deluxe, diminuindo seu preço para U$299,99 em setembro de 2013. De lá para cá, você já sabe que nada mudou (tirando o jogo que vinha no pacote), mesmo com o Wii U não caindo de vez no gosto dos gamers.

De acordo com o presidente da gigante nipônica, uma nova redução no preço do console não foi feita por causa das recentes variações nas taxas de câmbio, quando o iene foi valorizado, afetando, por tanto, a conversão da moeda para dólar e euro e forçando a companhia de Kyoto a manter o valor do aparelho em questão caso não quisesse ter prejuízo. Veja a declaração do executivo:

Eu acho, para ser honesto, que estamos em uma situação difícil. Porque, para o console doméstico, nossas grandes oportunidades eram os mercados ocidentais nos Estados Unidos e Europa, mas por causa da valorização da iene e as taxas de troca entre doláres e euro, houve uma dificuldade em capitalizarmos nisso, por causa do custo pelo qual fomos forçados a vender o console.

Até mais!
                                                                                 

Comentários
0 Comentários

0 comentários: