sábado, 19 de maio de 2018

[SECRET HOARD] Os momentos mais surpreendentes de Donkey Kong Country Tropical Freeze

Sim, ele voltou: o quadro de curiosidades que todos adoram, o Secret Hoard. Mas... não com o guia de viagens, que sofreu uns contratempos, e sim com um vídeo com várias situações curiosas que não havíamos percebido em Donkey Kong Country Tropical Freeze. Para aqueles que não estão a fim de ler, dirijam sua atenção ao vídeo, em espanhol e publicado pelo canal Mundo N, no final desta matéria. Sem mais enrolações, vamos lá.



FESTA DE ANIVERSÁRIO
A primeira coisa a ser destacada e que para muitos isso sequer passou pela cabeça é: quem está fazendo aniversário na introdução do jogo? Para quase 100% dos jogadores, a resposta é um tanto óbvia: o aniversariante é o Donkey Kong, tanto que as velas são em forma das letras D e K, e a cena passa a sensação de que o gorila engravatado acabou de ficar um ano mais velho. Mas a verdade é que qualquer um nessa cena pode estar celebrando mais uma primavera, e o vídeo explica isso de uma forma que surpreende: além de Donkey Kong, temos seu sobrinho e protagonista do segundo jogo, Diddy Kong, cujas iniciais são D e K; ao seu lado, está a simpática símia loira estrela do terceiro jogo, Dixie Kong, que também tem as iniciais D e K; e para finalizar, temos o rabugento Cranky Kong... mas espera aí, Cranky começa com C e não com D, como se explica isso? Simples, Cranky é o apelido do símio idoso, uma palavra que pode ser usada, justamente, com o significado de "rabugento"; em resumo, seu nome é simplesmente Donkey Kong, o original, aquele que sequestrou Pauline e ajudou a alçar o então carpinteiro JumpMan ao estrelato. Por mais que a cena aponte o gorila engravatado como aniversariante, analisar as coisas por esse ponto de vista nos deixa com uma bela pulga atrás da orelha.

A ILHA MAGNÍFICA
Conforme avançamos pelo jogo, chegamos a uma ilha das mais estranhas: responsável por ambientar as fases do mundo Juicy Jungle, a quinta ilha é o paraíso das frutas, onde praticamente tudo é feito dos mais variados frutos encontrados aqui, de gelatinas a rios de suco e até mesmo áreas com sorvetes, e é neste lugar onde, depois de descobrir seus segredos, nunca mais a olharemos da mesma forma. Ao analisar a ilha como um todo, descobrimos que ela é uma imensa fábrica, de forma que cada fase simboliza as etapas de uma linha de produção de alimentos. Na primeira fase, máquinas de todo tipo aparecem colhendo frutas, enquanto no nível seguinte, já é possível ver uma bela cascata de suco. Na terceira fase, apropriadamente intitulada Fruity Factory, as frutas chegam na etapa de extração de seu suco, que segue pelo trecho da fase anterior até chegar em Panicky Paddles, onde é possível nadar pelo suco em determinados lugares. Em seguida, em Jelly Jamboree, chegamos na etapa de resfriamento, onde em boa parte da fase, é preciso utilizar cubos de gelatina para prosseguir, mas é em Frosty Fields onde as coisas realmente esfriam, já que os cubos de gelatina são resfriados até congelarem e serem transformados em picolés, que sim, são os mesmos picolés que o chefe da ilha, Bashmaster, the Umbreakable, está tomando quando é interrompido pelos Kongs. Nenhuma outra região de qualquer um dos jogos anteriores se compara a essa, onde todas as fases são conectadas pela linha de produção de picolés de fruta. Aposto que depois disso, qualquer um que jogar nesse mundo vai parar para observar tudo o que acontece em cada fase.

O DILEMA DE FUNKY
Funky Kong é o inventor da família e grande destaque do port de DKC Tropical Freeze para Switch, sendo a primeira vez na franquia em que ele é jogável. No entanto, há uma coisa inexplicável em sua trajetória até aqui: por que raios ele não salvou seus amigos??? Na versão do jogo para Wii U, Funky, assim como DK, Diddy, Dixie e Cranky, também vive na DK Island, e foi igualmente soprado para longe pela tribo viking Snowmads. Em cada mundo, o macaco surfista possui uma loja onde vende itens variados para ajudar o jogador em sua jornada, e é ai que está o detalhe mais surpreendente de todos: sua loja é, nada mais nada menos, que um AVIÃO!!! Em outras palavras, o cidadão tem em suas mãos o único meio de transporte disponível, e que poderia levar todos de volta para a DK Island, sem precisar passar por todos os perigos em todas as fases do jogo. A coisa fica ainda mais bizarra quando notamos que, ao chegarmos em uma nova ilha, o avião já está lá, ou seja, Funky chegou lá com seu avião antes de todo mundo! Tudo piora ainda mais no port para Switch, onde Funky troca sua loja por momentos de adrenalina, se aventurando junto com sua família contra os Snowmads, deixando em seu lugar um pássaro vermelho. Qual a explicação para isso?

DETALHES EM CADA CANTO
Neste ponto, o vídeo destaca as diferenças entre os universos da franquia DKC e os demais, principalmente a série Mario. Nos jogos do encanador bigodudo, em sua grande maioria, percorremos vários níveis para derrotar Bowser e salvar a Princesa Peach, mas no geral, os acontecimentos são bem aleatórios. Já na franquia DKC, principalmente em Tropical Freeze, nada acontece por acaso. Em Fruity Factory, algumas plataformas não são nada mais que fatias de frutas, mais precisamente, das mesmas frutas que aparecem rolando ao fundo até chegarem no triturador. Em Jelly Jamboree, bater em um cubo de gelatina azul faz com que a plataforma seguinte gire, mas isso não é por acaso: há um botão dentro do cubo; um pouco mais à frente, uma plataforma parecerá estar girando sozinha, mas basta um olhar mais atento para notar um inimigo ao fundo pulando em um cubo azul, o mesmo que possui um botão que ativa um mecanismo que faz a plataforma girar. O jogo está cheio de outros exemplos, assim como algumas coisas sem explicação, mas imaginar o trabalho que os desenvolvedores tiveram, cada detalhe cuidadosamente trabalhado, nos dá um sentimento de gratidão por eles.

Por fim, fiquem com o vídeo:

Comentários
0 Comentários

0 comentários: